No 589 – ANO 59 – 1ª QUINZENA DE DEZEMBRO DE 2021

Nesta 22ª edição histórica da Flap, dedicada à aviação retrô, começamos com um Flight Check bem diferenciado, feito por um menino de 12 anos de idade, por ocasião de seu primeiro voo, quando a American Airlines introduziu o Boeing 707 nas rotas domésticas americanas, voando no trecho Nova Iorque/Los Angeles, no início da década de 1960. É distinto dos demais feitos até hoje, por se tratar de uma abordagem sob a visão de uma criança, além de mostrar como era voar naquele tempo – um luxo, mesmo na classe econômica. 

Depois, conheça a história da pequena grande empresa chilena em seus voos para o Brasil. A Ladeco era uma empresa que saiu do nada e, de repente, foi considerada, por sua classe econômica, uma das melhores do mercado em quesitos como serviço de bordo, pontualidade e refinamento. 

O Boeing 747-SP foi o mais espetacular dos aviões Jumbo operados pela Pan American, chegando a voar regularmente para o Brasil. Pouco conhecido, pois sua produção foi limitada, temos aqui uma descrição mostrando suas virtudes arraigadas em várias viagens.

A Vasp foi a primeira empresa nacional a voar um Boeing, no caso, o 737-200, somente em voos de cabotagem, em 1969. Saiba como esse avião foi apresentado aos passageiros, uma revolução no céu do Brasil, introduzindo um novo conceito.

Veja como foram os primórdios da Aerolineas Argentinas e a aventura que foi completar o Flight Check deste marco pioneiro. Durante anos, esse foi um dos voos mais comentados da aviação comercial mundial e que, recentemente, foi desativado. 

A nova geração dificilmente ouviu falar do VC-10, que voou para o Brasil há meio século, e muito menos da empresa BUA. Portanto, ficará, com certeza, encantada com uma experiência diferenciada em uma aeronave única, que, pela sua pequena produção, raramente era vista nos aeroportos.

Mais uma matéria retrô, desta vez trazendo a Varig dos anos 1960, considerada por muitos a melhor companhia aérea internacional do planeta. Não era bem assim, mas era a melhor da América Latina, com certeza. Mostramos nesta retrospectiva inédita como era voar naquele tempo, que infelizmente não volta mais, com todo o seu luxo, glamour e serviço.