Nove em dez passageiros aprovam aeroportos durante os Jogos Olímpicos

Índice de atrasos registra queda de 59% em relação à Copa

Os Jogos Olímpicos deram ao Brasil novos recordes do lado de fora das arenas. O índice de pontualidade de 94,8% foi o melhor já registrado em uma operação especial do setor de Aviação Civil no País. O resultado se refere ao período de 1 a 22 de agosto, que compreende dos principais dias de chegadas de torcedores, atletas e membros de delegações ao pico de movimentação dos aeroportos durante o evento esportivo. Nos nove principais aeroportos monitorados pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil durante o evento, o índice médio de atrasos foi de 5,2%, uma queda de 59% em relação à performance dos terminais durante a Copa do Mundo de 2014 (8,8%). Em 22 dias, foram transportados cerca de 7,91 milhões passageiros, o equivalente à população da Suíça. Juntos, os aeroportos do Galeão e Santos Dumont, no Rio, e Guarulhos, em São Paulo, responsável por cerca de 40% das conexões internacionais com destino aos Jogos, movimentaram aproximadamente 3,98 milhões de viajantes. O patamar de atrasos na casa dos 5% é três vezes melhor que a meta do setor de aviação para o período: a Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero) trabalha para manter o índice de atrasos abaixo de 15% (considerados atrasos só voos que decolem além de 30 minutos do horário previsto). Uma pesquisa realizada diariamente pela Secretaria de Aviação nas áreas restritas dos terminais pesquisados revela que a qualidade da oferta de serviços, atendimento, gestão e organização dos aeroportos foi aprovada por nove em dez passageiros entrevistados. No período analisado, a experiência de chegada e saída dos terminais manteve o padrão de excelência oferecido em dias comuns nos aeroportos do País e em alguns casos, até melhor. Em uma escala de 1 a 5, a média de satisfação apurada chega a 4,24, o que representa a consolidação de melhorias de infraestrutura e perfeita adequação da atividade dos terminais a picos de demanda. Considerando os nove principais aeroportos monitorados pelo Ministério no período, o tempo médio de fila no check-in doméstico no guichê foi 10 minutos, enquanto no check-in internacional a fila durava cerca de 5 minutos. A inspeção de segurança (doméstica e internacional) estava livre de filas, o que fez com que o passageiro fosse liberado em, em média, 1 minuto. A bagagem doméstica foi restituída em 23 minutos e a internacional em 48 minutos (tempo decorrido entre o calço da aeronave e a chegada da última bagagem na esteira). Já os procedimentos de imigração e emigração demoraram em torno de 10 e 2 minutos, respectivamente. O número total de partidas programadas nos nove aeroportos foi de 33.627 – Santos Dumont e Galeão, 7.386; Guarulhos, 7.858. Foram registrados 72 voos VIPs e realizado atendimento a 123 chefes de Estado, além de chefes de governo e autoridades internacionais. Mais informações no portal www.aviacao.gov.br.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn