Gol divulga resultados do segundo trimestre de 2022

A GOL Linhas Aéreas disponibilizou o seu resultado consolidado do segundo trimestre de 2022 (2T22). Nesse período, atuando assertivamente na gestão da capacidade e no aumento da produtividade, a Companhia registrou o maior yield da sua história assim como a mais alta receita operacional líquida em um segundo trimestre. Os principais resultados estão relacionais abaixo:

* O número de Passageiro-Quilômetro Transportado Pago (RPK) aumentou 103,0%, enquanto o total de Assento-Quilômetro Ofertado (ASK) cresceu 123,7%;
* A Receita Líquida mais que triplicou para R$3,2 bilhões. As Receitas Auxiliares, principalmente de SMILES e GOLLOG, cresceram 75% para R$246,4 milhões;
* A taxa de ocupação média (load factor) diminuiu 7,9 pp para 77,2%. A taxa de ocupação doméstica registrada foi 8,5 pp inferior à do 2T21, enquanto a taxa de ocupação internacional foi de 86,7%;
* A utilização das aeronaves foi de 10,2 horas por dia, um ganho de 27,5% na produtividade;
* O número de passageiros transportados pela GOL dobrou para 5,8 milhões, que foi equivalente a 71,4% do registrado no 2T19 (pré-pandemia);
* A Receita Líquida por Assento-Quilômetro Ofertado (RASK) evoluiu 41% para R$35,94 centavos;
* O yield médio por passageiro cresceu 66,2% e registrou um recorde de R$43 centavos para a Companhia;
* O Custo por Assento-Quilômetro recorrente diminuiu em 20,4% para R$35,38 centavos. O CASK Combustível cresceu 72,2% para R$16,06 centavos, devido à majoração de 80,5% nos preços do querosene da aviação (QAV)

Nesse trimestre, a Companhia recebeu três novas aeronaves Boeing 737-MAX 8, elevando a participação desse modelo para 24% da frota total. A manutenção do ritmo de transformação da frota possibilitará que a GOL encerre o ano com 44 aeronaves 737-MAX 8, ou 33% do total, com incremento de produtividade e maior eficiência de custos.  A Companhia efetuou a devolução programada de uma aeronave Boeing 737-NG e firmou contratos para devolução antecipada de quatro outras aeronaves, anteriormente previstas para acontecer no segundo semestre de 2022. A GOL projeta encerrar o ano com 92 aeronaves 737-NG, sendo que três delas convertidas para modelos cargueiros. A primeira aeronave cargueira iniciará as operações no final de agosto/22.
A Companhia também continua a expandir sua malha, principalmente em aeroportos com alta demanda corporativa. A recuperação desse mercado a partir de abril/22 propiciou o aumento de aproximadamente 20% e 40% na oferta de voos, respectivamente em Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio de Janeiro). Para os mercados regionais, a malha da GOL inaugurou quatro novas bases nesse trimestre: Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Passo Fundo e Uruguaiana, todos com conexão em Guarulhos (São Paulo), além de anunciar dois novos destinos, Ipatinga e Uberaba, ambos em Minas Gerais.
No mercado internacional, foram retomados os voos para os destinos Estados Unidos, Argentina, Paraguai e Bolívia, que haviam sido suspensos durante a pandemia. Especificamente para a Argentina, cuja demanda fortaleceu em função do câmbio, foi anunciada a “ponte aérea” entre São Paulo (Guarulhos) e Buenos Aires (Aeroparque) em parceria com a Aerolineas Argentina, com a qual a GOL mantém acordo de codeshare há mais de 10 anos. Os voos diretos passarão a ter facilidades e benefícios exclusivos a partir do 4T22.

Foto: Juliano Damásio

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn