Fechar

Serviços de Bordo



Compartilhar:

RSS

Como os alimentos são preparados em um avião?

Como os alimentos são preparados em um avião?

 

Todos nós já comemos a bordo de um avião. Embora a qualidade varie bastante entre as aéreas e as suas classes, o manuseio e o cozimento são muito semelhantes.

A maior parte da preparação das refeições das companhias aéreas é feita antes do voo, no solo. As companhias aéreas preparam suas próprias refeições ou, mais comumente, contratam um fabricante para fornecê-las. Isso varia entre os países, com muitas empresas diferentes oferecendo esses serviços.

A LSG Sky Chefs por exemplo, atende, só na unidade de Frankfurt, a várias companhias aéreas, produzindo 85.500 refeições por dia. Ela também opera a maior instalação de lava-louças da Europa - o equipamento de servir é reutilizado, mas todos os alimentos que não são usados ​​são descartados.

Os alimentos são projetados para serem reaquecidos. As instalações locais preparam, cozinham e embalam grandes quantidades de refeições. Dependendo do tipo de alimento, após o cozimento, ele será resfriado ou congelado até ser reaquecido a bordo (geralmente dez horas após o preparo). Muitos alimentos, incluindo a maioria das carnes, são cuidadosamente cozidos parcialmente. O processo de reaquecimento assumirá a parte final do cozimento.

Depois de preparado, geralmente em um local do aeroporto ou certamente nas proximidades, o alimento resfriado é carregado na aeronave. Isso parece simples, mas é um enorme desafio logístico, com milhares de refeições em centenas de voos, todos precisando ser carregados em um curto período de tempo.

Uma vez a bordo, o alimento resfriado precisa ser aquecido nos fornos da aeronave. Cada tipo de prato terá instruções para seu reaquecimento e preparo. Para a maioria das refeições econômicas, o reaquecimento simplesmente ocorre na bandeja fornecida. Para refeições mais luxuosas na cabine premium, eles geralmente são reaquecidos em uma bandeja fornecida e, em seguida, transferidos para outros pratos para servir.

Os fornos de uma aeronave são fornos de convecção especializados com aquecimento de alimentos por ar quente. As refeições são colocadas em bandejas no forno. A maioria das refeições leva cerca de 20 minutos para aquecer e, claro, são aquecidas e servidas em lotes.

Foto: Lufthansa

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

03/02/2021


China Airlines adia despedida do Boeing 747-400 A China Airlines adiou seu voo especial de despedida do Boeing 747-400. Previsto para ocorrer no sábado passado, a data remarcada será anunciada pela companhia aérea, que atribuiu o atraso à "atual situação epidêmica doméstica". Enquanto a Lufthansa continua voando com o Boeing 747-8 ao redor do mundo, o mesmo não pode ser dito sobre a maioria dos outros operadores de Boeing 747. Desde o início da pandemia, muitos já se despediram de suas aeronaves devido ao tamanho e ao número de motores. A China Airlines já operou um total de 60 Boeing 747, mas, atualmente, tem apenas 18, e todos são cargueiros. O que deveria operar o voo de despedida da China Airlines era o B18215, que foi o último 747-400 a ser construído pela Boeing e, como tal, parecia uma aeronave adequada para ser usada na despedida da companhia aérea. Embora o voo do último Boeing 747-400 da China Airlines tenha sido adiado, infelizmente a aérea está apenas prolongando o inevitável. A companhia está fazendo a transição para sua frota de Airbus A350 em um momento de olhar para a próxima geração de viagens aéreas. Em toda a indústria, os bimotores estão sendo preferidos aos quadrimotores. Foto: Divulgação    


Aviação Civil

03/02/2021


LATAM instala atendimento remoto no check-in dos aeroportos   LATAM Airlines Brasil instalou nesta semana, nos aeroportos de Cuiabá, Curitiba e Navegantes, o projeto especial denominado “Atendimento Remoto”, que traz um novo modelo de atendimento de check-in nos aeroportos. Esse projeto já está disponível no Rio de Janeiro/Santos Dumont, em São Paulo/Congonhas, em Vitória e em Florianópolis, estando presente agora, em sete aeroportos do País. Essa iniciativa se soma às medidas que a LATAM já implementou desde o início da pandemia, para garantir a segurança de seus passageiros em toda a jornada de viagem, desde o aeroporto, passando pela cabine e chegando ao desembarque. O cliente chega ao aeroporto (se for necessário despachar a bagagem, a impressão da etiqueta deve ser realizada diretamente no totem de autoatendimento* da companhia) e aguarda na fila, respeitando o distanciamento, até ser direcionado para uma posição de atendimento. O processo acontece da seguinte forma: ·  Passo 1 – Boas-vindas ao passageiro e confirmação dos dados de viagem e documentação, por meio do sistema de câmeras; ·  Passo 2 – Verificação de segurança sobre presença de artigos perigosos/proibidos na bagagem; ·  Passo 3 – Se houver necessidade do despacho de bagagem, o cliente posiciona a bagagem (já etiquetada*) na balança/esteira; ·  Passo 4 – O atendente remoto realiza a conferência do peso e tipo de bagagem, também com auxílio do sistema de câmeras; ·  Passo 5 – O atendente orienta o passageiro a ativar o botão de acionamento da esteira para despacho da bagagem; ·  Passo 6 – O cliente recebe o seu cartão de embarque diretamente pelo aplicativo LATAM (caso seja necessária a impressão de um novo cartão, o atendente remoto o imprime) e o atendimento se encerra. *Se houver totem de autoatendimento da companhia disponível no aeroporto. Para os próximos meses, estima-se a expansão deste modelo de operação para outros aeroportos brasileiros, que trabalharão de forma colaborativa. O prazo para instalação de todos os equipamentos necessários e preparo das equipes no novo modelo é de 15 a 20 dias. Foto: Divulgação  



Publicidade