Fechar

Industria



Compartilhar:

RSS

A Boeing só entregará o primeiro 737 MAX 10 em 2023

A Boeing só entregará o primeiro 737 MAX 10 em 2023

O maior narrowbody da Boeing só começará a chegar aos clientes em 2023. Originalmente previsto para começar as entregas em 2020, isso representa um atraso de três anos no cronograma. Além disso, seu irmão menor, o 737 MAX 7, que deveria ter começado as entregas no ano passado, agora começará a chegar no final de 2021.

Para Boeing, 2020 foi um ano difícil. Durante a maior parte, seu 737 MAX, permaneceu no solo por questões de segurança. O 787 Dreamliner foi marcado por preocupações de produção, enquanto o 777X continuou a sofrer atrasos.

O atraso no programa 737 MAX 10 era um tanto esperado. Já o 737 MAX 7 foi lançado em agosto de 2011 e o primeiro deveria ter sido entregue no ano passado. Agora, ela diz que fará sua primeira entrega no final de 2021.

A United Airlines é o maior cliente até o momento, com uma solicitação de 100 do tipo para complementar seus 85 737 MAX 9. A VietJet é a segunda maior, com um pedido de 80, enquanto a flydubai e a Lion Air fizeram pedidos de 50 cada do modelo.

Resta saber se uma espera até 2023 tornará o avião pouco atraente. Quando ele chegar, a Airbus estará se aproximando da estreia de seu A321XLR, que terá mais de 1.000 milhas náuticas (1.850 km) de alcance que o grupo 737, algo que pode muito bem virar a cabeça de alguns clientes da Boeing.

Foto: Boeing

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

02/02/2021


Emirates suspende voos para o Brasil   A aérea dos Emirados Árabes Unidos suspende voos de Dubai para o Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, por dez dias. No momento a decisão é cancelar as operações naquele período e depois eles avaliarão a situação. A suspensão, em vigor a partir de ontem (01/01) e é explicada no contexto da segunda onda da pandemia. Os passageiros não serão admitidos no aeroporto de Dubai se o destino final for São Paulo. “A Emirates continua comprometida em atender nossos clientes no Brasil e esperamos retomar os serviços de passageiros assim que as condições permitirem. Estamos monitorando a situação e trabalhando em estreita colaboração com todas as autoridades relevantes nesta questão. Nossa prioridade sempre será a saúde e o bem-estar de nossos clientes, colegas e das comunidades que atendemos”, declarou um porta-voz da aérea. Foto: Divulgação    


Aviação Civil

02/02/2021


Qantas adia o lançamento do projeto Sunrise para 2024   Antes que a pandemia de coronavírus atingisse a indústria aérea, a companhia aérea australiana Qantas tinha grandes planos para viagens de longa distância. Depois de lançar serviços diretos Londres-Perth com Boeing 787-9, ela queria fazer o mesmo para Sydney com o nome de ‘Projeto Sunrise’. Naturalmente, o COVID-19 interrompeu esses planos no ano passado. No entanto, o CEO Alan Joyce delineou prazos provisórios para a continuação do programa. Projeto Sunrise é o codinome da Qantas para voos programados sem escalas entre a Austrália e vários mercados internacionais importantes anteriormente fora de alcance. Partindo de Melbourne e Sydney, esses longos voos atenderão diretamente Londres, Nova York e Paris. Os voos sem escalas de 19 horas eliminarão a necessidade de escalas em cidades como Dubai e Cingapura, garantindo conexões diretas onde antes não eram possíveis. A Qantas decidiu utilizar aeronaves Airbus A350-1000 nessas longas pernas. Estava perto de fazer um pedido quando o COVID-19 a forçou a suspender seus planos enquanto suas operações internacionais eram suspensas. Foto: Divulgação    



Publicidade