Fechar

Industria



Compartilhar:

RSS

Dassault Aviation: entregas e encomendas de novas aeronaves em 2020

Dassault Aviation: entregas e encomendas de novas aeronaves em 2020

 No ano que passou, foram entregues 13 Rafale, contra 26 em 2019. No mesmo período foram entregues 34 Falcon, contra 40 no ano anterior.

Como um lembrete, publicamos em 27 de fevereiro de 2020 uma orientação de 13 entregas de Rafale e 40 Falcon. Depois de retirar esta orientação em 1º de abril por causa da crise sanitária da Covid-19, publicamos uma orientação atualizada em 23 de julho de 2020 de 13 entregas de Rafale e 30 Falcon.

Em 2020, 15 Falcon foram encomendados, em comparação com 40 em 2019. O surto de Covid-19, desencadeando uma crise sanitária global sem precedentes, restrições de viagens muito restritivas e fortes incertezas sobre a economia mundial, afetou diretamente nosso nível de entrada de pedidos.

Em 31 de dezembro de 2020, a carteira de pedidos incluia 62 Rafale e 34 Falcon, em comparação com 75 Rafale e 53 Falcon em 31 de dezembro de 2019.

Foto: Dassault Aviation

 



SAIBA MAIS

Industria

05/01/2021


Lockheed X-59 da NASA toma forma   A NASA declarou que o X-59 atingiu a marca da metade em desenvolvimento, com a asa fechada e fuselagem e empenagem prontas para serem unidas. Enquanto a NASA revisou sua linha do tempo para o demonstrador X-59 Quiet SuperSonic Technology (QueSST) para refletir o primeiro voo antecipado em 2022, a agência continua encorajada que a construção do X-plane atingiu o ponto médio no final do ano passado, apesar das complexidades associadas com a pandemia. Em uma atualização recente, a agência disse que a montagem da aeronave Mach 1.4 "fez grandes avanços" em 2020, à medida que o trabalho progredia na cabine de comando, asas e outros equipamentos. Além disso, a GE Aviation entregou o motor F414-GE-100 que irá equipar o X-59 QueSST no terceiro trimestre. A parceira do programa Lockheed Martin está montando a aeronave em suas instalações da Skunk Works em Palmdale, Califórnia, sob um contrato de US$ 247,5 milhões com a NASA. O X-59 incorpora uma série de recursos incomuns, incluindo a falta de uma janela frontal, projetada para “silenciar” o estrondo sônico associado ao voo supersônico. O resultado, antecipam os gerentes do programa, será um boom sônico muito mais silencioso do que o estrondo sônico há muito associado às viagens supersônicas. Os dados resultantes serão fornecidos aos reguladores para uso na avaliação de regras futuras sobre operações supersônicas. Para compensar a falta de uma janela voltada para a frente, a NASA e a Lockheed Martin estão incorporando um eXternal Vision System (XVS) envolvendo câmeras para dar ao piloto a visão voltada para a frente. O sistema XVS também foi testado em 2020. Foto: Lockheed


Industria

05/01/2021


Programa de motores Rolls-Royce será interrompido   A Rolls-Royce gastou cerca de US$ 680 milhões no desenvolvimento do demonstrador UltraFan, e deverá interromper o desenvolvimento de motores até que um novo jato seja revelado. A fabricante britânica de motores aeronáuticos também adiará a busca de um parceiro industrial para o sistema de propulsão de próxima geração até que um novo programa de aeronaves seja lançado, o que provavelmente ocorrerá daqui a vários anos, declarou o presidente-executivo da RR, Warren East. “Nós pretendemos concluir a fase em que estamos no momento, que é criar e testar totalmente nosso demonstrador”, disse o Sr. East em uma entrevista recente. “Mas nesse ponto, vamos colocar ‘as coisas no gelo’. Não posso forçar os fabricantes de fuselagens a inventar novos aviões e, se não houver demanda para eles, não haverá demanda para os motores.” O UltraFan, usa uma nova arquitetura para melhorar o desempenho, bem como pás de ventilador compostas, e pretende ser 25 por cento mais eficiente do que os primeiros motores Trent do grupo. Não vamos investir na capacidade industrial necessária para criar os espaços necessários para uma aeronave de corredor único. . . não temos capacidade industrial, não adianta investirmos nisso”, disse. Qualquer discussão séria sobre colaboração industrial também dependeria do tipo de aeronave a ser lançada. Ainda é muito cedo para fechar qualquer acordo, disse East. “Ninguém vai inventar uma parceria para um negócio que não existe”, disse ele. Tanto a Boeing quanto a Airbus - que juntas dominam o mercado global de fabricação de aeronaves - estão relutantes em lançar uma nova aeronave enquanto as companhias aéreas continuam em dificuldades financeiras por causa do colapso global nas viagens aéreas. Se qualquer um dos fabricantes decidir avançar com uma nova plataforma de aeronave, no entanto, é improvável que seja de dois corredores, de acordo com muitos especialistas do setor. Espera-se que as viagens domésticas, em grande parte servidas por aeronaves de um corredor, se recuperem mais rapidamente do que o mercado de longa distância e a demanda por aeronaves de fuselagem larga, usadas em viagens internacionais mais longas deve permanecer deprimida por vários anos. A linha de produtos Trent da Rolls-Royce está focada em motores maiores para aeronaves de corredor duplo. “Todo o setor sofreu uma surra do Covid, vai ficar machucado por vários anos e, portanto, eu anteciparia um atraso razoavelmente significativo antes que essas novas aeronaves apareçam”, disse East. Foto: Rolls-Royce  



Publicidade