Fechar

Industria



Compartilhar:

RSS

Movimentação de carga em Viracopos tem novo crescimento em novembro e mantém ritmo de altas consecutivas em toneladas

Movimentação de carga em Viracopos tem novo crescimento em novembro e mantém ritmo de altas consecutivas em toneladas


O Terminal de Carga do Aeroporto Internacional de Viracopos registrou em novembro a segunda maior alta de movimentação de carga no ano, com um total de 27.597 toneladas em importação, exportação, carga nacional e remessas expressas (courier). 

O mês de novembro apresentou crescimento de 31% em relação ao mesmo período do ano passado. Já no acumulado do ano, de janeiro a novembro, a alta chegou a 14,28% em relação ao mesmo período de 2019, com um total de 233.790 toneladas transportadas por Viracopos em 2020.  

Novembro só ficou atrás do mês de outubro, que detém até agora o recorde de registro de carga movimentada no ano, com 27.886 toneladas, somadas as exportações, importações, cargas nacionais e remessas expressas. 

As seguidas altas são alavancadas pelos resultados na importação, exportação, carga doméstica e remessas expressas, consolidando o TECA (Terminal de Carga) de Viracopos, mais uma vez, entre as estruturas mais importantes para a logística e o abastecimento do Brasil, principalmente nos segmentos das indústrias farmacêutica, de tecnologia, alimentícia, autopeças, vestuário, química, calçados, entre outros diversos segmentos. 

Importação e Exportação 

Considerando apenas as importações, o mês de novembro registrou o recorde do ano, com 12.768 toneladas de carga chegando ao país por meio do TECA de Viracopos. O crescimento chegou a 5,8% em relação ao mesmo mês de 2019. Hoje, Viracopos recebe quase 40% do total de carga importada por via aérea no país. 

As exportações também seguem em alta. Em novembro, 6.848 toneladas de carga deixaram o Brasil por Viracopos. O número é 32,6% superior ao volume registrado no mesmo mês de 2019. 

Remessas expressas e Carga Doméstica 

As remessas expressas ou courier também mantêm uma tendência de alta no acumulado do ano. Entre janeiro e novembro de 2020 foram movimentadas 5.181 toneladas, número 3,3% superior ao acumulado no mesmo período de 2019.  Só no mês de novembro foram 492 quilos de remessas que passaram por Viracopos.  

No entanto, o recorde de remessas expressas enviadas ou recebidas neste ano aconteceu no mês de julho, com 583 quilos. 

As cargas domésticas continuam exercendo um importante papel para impulsionar ainda mais a relevância logística e estratégica de Viracopos no cenário nacional por ser um aeroporto com uma das maiores distribuições de voos por todas as regiões do país. 

No acumulado do ano, a alta de movimentação de carga doméstica por Viracopos chega a 53,10% neste ano em relação aos 10 primeiros meses de 2019. Passaram pelo aeroporto 50.451 toneladas ante 32.952 toneladas do mesmo período do ano passado. 

Além disso, o mês de novembro representa o recorde no ano de movimentação de carga nacional por Viracopos, com 7.489 toneladas, superando o recorde anterior que havia sido registrado em outubro, com. 7.331 toneladas.

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

14/12/2020


Aerolíneas Argentinas reinicia voos diretos entre Buenos Aires e Salvador, BA   No próximo sábado (19), o aeroporto de Salvador voltará a receber voos semanais da Aerolíneas Argentinas, diretos do aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires. Devido à pandemia de Covid19, esses voos foram suspensos em março e espera-se que continuem depois das férias de verão. A partir do mês que vem os voos sairão de Buenos Aires às sextas-feiras, voltando de Salvador aos sábados, sempre com aeronaves Boeing 737-800 para 170 passageiros. Foto: Divulgação  


Industria

15/12/2020


Altas temperaturas na cabine de comando de aviões para combater a COVID-19   A Boeing e a Universidade do Arizona demonstraram que a aplicação de calor às superfícies, especialmente em equipamentos de cabine de comando (difíceis de limpar), elimina, de forma efetiva, o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. Os resultados indicam que o vírus pode ser destruído em mais de 99,99% após exposição de três horas a temperaturas de 50°C Na verdade, temperaturas a partir de 40°C já seriam efetivas em matar mais de 99,9% dos vírus.  “A segurança dos passageiros e da tripulação são nossas principais prioridades. Isso se estende por todas as áreas da aeronave”, afirmou Michael Delaney, que lidera os esforços da Iniciativa Viagem com Segurança (Confident Travel Initiative - CTI) da Boeing. “A desinfecção térmica pode fornecer uma nova ferramenta bastante valiosa de destruição do vírus da COVID-19 em componentes sensíveis e de difícil acesso que protegem os pilotos”.  A Boeing concluiu os testes em resposta às necessidades das companhias aéreas para ampliar a segurança e o bem-estar de passageiros e tripulações durante a pandemia de COVID-19. Os testes foram conduzidos em um ambiente de laboratório protegido na universidade usando partes da cabine de comando e o vírus SARS-CoV-2, causador da COVID-19. “Estamos basicamente cozinhando o vírus”, explicou o Dr. Charles Gerba, microbiologista da Universidade do Arizona e especialista em doenças infecciosas. “A desinfecção térmica é uma das formas mais antigas de matar microrganismos causadores de doenças. É usada por microbiologistas em nosso laboratório todos os dias”. A cabine de comando é uma das áreas mais complexas em termos de higienização com desinfetantes químicos tradicionais. Em áreas com equipamentos eletrônicos sensíveis, o calor tem a capacidade de desinfetar sem os efeitos adversos dos produtos de limpeza. A cabine de comando foi projetada para suportar temperaturas de até pouco mais de 71ºC, o que torna a desinfecção térmica um método de higienização seguro, prático e eficaz. Como as viagens aéreas são fundamentalmente afetadas pela pandemia global de COVID-19, a Boeing e a Universidade do Arizona continuam testando métodos de limpeza recomendados em um laboratório contra o SARS-CoV-2 e outros vírus semelhantes para validar ainda mais sua eficácia.  



Publicidade