Fechar

Industria



Compartilhar:

RSS

Altas temperaturas na cabine de comando de aviões para combater a COVID-19

Altas temperaturas na cabine de comando de aviões para combater a COVID-19


A Boeing e a Universidade do Arizona demonstraram que a aplicação de calor às superfícies, especialmente em equipamentos de cabine de comando (difíceis de limpar), elimina, de forma efetiva, o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19.

Os resultados indicam que o vírus pode ser destruído em mais de 99,99% após exposição de três horas a temperaturas de 50°C Na verdade, temperaturas a partir de 40°C já seriam efetivas em matar mais de 99,9% dos vírus.

 “A segurança dos passageiros e da tripulação são nossas principais prioridades. Isso se estende por todas as áreas da aeronave”, afirmou Michael Delaney, que lidera os esforços da Iniciativa Viagem com Segurança (Confident Travel Initiative - CTI) da Boeing. “A desinfecção térmica pode fornecer uma nova ferramenta bastante valiosa de destruição do vírus da COVID-19 em componentes sensíveis e de difícil acesso que protegem os pilotos”.

 A Boeing concluiu os testes em resposta às necessidades das companhias aéreas para ampliar a segurança e o bem-estar de passageiros e tripulações durante a pandemia de COVID-19. Os testes foram conduzidos em um ambiente de laboratório protegido na universidade usando partes da cabine de comando e o vírus SARS-CoV-2, causador da COVID-19.

“Estamos basicamente cozinhando o vírus”, explicou o Dr. Charles Gerba, microbiologista da Universidade do Arizona e especialista em doenças infecciosas. “A desinfecção térmica é uma das formas mais antigas de matar microrganismos causadores de doenças. É usada por microbiologistas em nosso laboratório todos os dias”.

A cabine de comando é uma das áreas mais complexas em termos de higienização com desinfetantes químicos tradicionais. Em áreas com equipamentos eletrônicos sensíveis, o calor tem a capacidade de desinfetar sem os efeitos adversos dos produtos de limpeza. A cabine de comando foi projetada para suportar temperaturas de até pouco mais de 71ºC, o que torna a desinfecção térmica um método de higienização seguro, prático e eficaz.

Como as viagens aéreas são fundamentalmente afetadas pela pandemia global de COVID-19, a Boeing e a Universidade do Arizona continuam testando métodos de limpeza recomendados em um laboratório contra o SARS-CoV-2 e outros vírus semelhantes para validar ainda mais sua eficácia.

 

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

14/12/2020


A FAA (Administração Federal de Aviação) dos Estados Unidos autoriza a aplicação da vacina da Pfizer contra o Covid-19 em pilotos e controladores de v   Um dia após a autorização de uso de emergência da Food and Drug Administration (FDA em sua sigla em inglês) para a vacina Pfizer-BioNTech Covid-19, a FAA determinou que os controladores de tráfego aéreo da FAA e os pilotos podem receber a vacina nas condições de seu certificado médico aviador emitido pela FAA. No entanto, esses pilotos e controladores  devem esperar 48 horas após a administração desta vacina antes de realizar tarefas de aviação sensíveis à segurança, ou seja, controlar o tráfego aéreo ou voar. Esse período de espera se aplica após cada dose - a vacina Pfizer requer duas doses, com 21 dias de intervalo para eficácia máxima. Enquanto isso, a FAA disse que avaliará as vacinas de outros fabricantes à medida que receberem a autorização da FDA nas próximas semanas e meses e avisará os pilotos e controladores de tráfego aéreo sobre os períodos de espera exigidos por essas vacinas. Foto: Divulgação  


Industria

14/12/2020


Cancelada a edição 2021 do Salão de Le Bourget     Recentemente, o SIAE (Salão Internacional de l'Aéronautique et de l'Espace de Paris) anunciou sua decisão de cancelar a edição de 2021 do Paris Air Show, que aconteceria de 21 a 27 de junho de 2021. Esta decisão fé considerada "dada uma incerteza associada a crise de saúde da Covid-19". “Em acordo, as diretorias do SIAE e do GIFAS Francesas (Associação das Indústrias Francesas Aeronáuticas e Espaciais) chegou a essa decisão inevitável dada a situação sanitária internacional e a assiduidade que essa festa popular gera. Essa decisão razoável foi tomada por unanimidade pelo conselho do SIAE, em um contexto de crise de magnitude sem precedentes para a indústria aeronáutica e espacial”, anunciou o SIAE em comunicado à imprensa.    



Publicidade