Fechar

Industria



Compartilhar:

RSS

American Airlines recebe o 200º Airbus produzido no Alabama

American Airlines recebe o 200º Airbus produzido no Alabama

A linha de montagem em Mobile é importante para a Airbus e o Alabama, fornecendo ao fabricante uma linha de produção econômica, ao mesmo tempo que proporciona ao estado um impulso econômico muito necessário.

Inaugurada em 2016, a instalação entregou 17 aeronaves no primeiro ano operacional antes de finalmente atingir uma taxa de produção de quatro por mês antes da pandemia de Covid-19.

American Airlines recebeu recentemente o 200º Airbus produzido em Mobile, um A321neo que, e com motores de baixo consumo de combustível está definido para se juntar a “uma das frotas mais jovens da região”. A aeronave também, segundo a Airbus, ajuda a focar em aeronaves ecologicamente corretas”. Foto: Divulgação

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

11/12/2020


Avianca Brasil mandou US$ 12 milhões para o exterior antes da Recuperação Judicial   De acordo com o blog “Capital” do jornal "O Globo", dias antes de entrar em Recuperação Judicial, Avianca Brasil enviou milhões de dólares para o exterior. Poucos dias antes da entrar em Recuperação Judicial, milhões de dólares foram repassados ao exterior, afirma jornal, citando à Alvarez & Marsal, administradora judicial da empresa, e cuida da sua falência. A companhia aérea dos irmãos Efromovich pediu Recuperação Judicial em 11 de dezembro de 2018, após após terem sido divulgadas informações sobre o não-pagamento do leasing de suas aeronaves, o que levaria à sua apreensão. De acordo com a Alvarez & Marsal, US$12 milhões foram enviados para a Synergy Aerospace, parte do grupo Synergy de Germán e José Efromovich, baseado na Colômbia. “Por se tratar de empresa do mesmo grupo, assim como ter sido realizado às vésperas do pedido de recuperação judicial, sem fundamento identificado pela Administradora Judicial até o presente momento e sem resposta da Falida ou da mutuaria à notificação enviada, entende-se presente, em tese, a possibilidade de caracterização da conduta prevista nos artigos 168 e 173 da Lei 11.101/05”, afirma a Alvarez & Marsal. De 2018 até hoje, nenhum dos credores e funcionários da Avianca Brasil receberam o dinheiro devido. Os irmãos Efromovich tiveram a prisão decretada em outro caso, mas cumprirão a pena em liberdade devido à idade avançada.      


Aviação Civil

11/12/2020


Lufthansa terá 12 voos semanais para o Brasil em dezembro e janeiro Lufthansa terá 12 voos semanais para o Brasil em dezembro e janeiro O Grupo Lufthansa divulgou ontem (10), um balanço do que foi o ano de 2020 em meio a pandemia. Annette Taeuber, diretora de Vendas Brasil do Grupo Lufthansa. O evento ainda contou com a participação de Cleverton Vighy, diretor regional para o Brasil da Lufthansa Cargo. Tom Maes, diretor Sênior de Vendas para América do Sul lembrou que a Lufthansa atualmente opera 12 voos semanais para o Brasil, já com aumento para alta temporada de verão. O número está bem abaixo das 26 frequências que eram operadas antes da pandemia, mas com uma taxa de ocupação média de 60%, o que, segundo ele, está bem acima de outras companhias. O diretor destacou ainda o lançamento do voo São Paulo-Munique antes da pandemia. “Um sucesso de demanda, superando a demanda de outros voos”, e lembrou que Lufthansa nunca deixou de operar no Brasil, o que mostra a importância do mercado para a Lufthansa, embora o mercado tenha reduzido muito de 2019 para 2020. “Tivemos 1.780 voos para o Brasil em 2019, e em 2020 teremos 680 frequências. O mercado reduziu muito, mas estamos orgulhosos já que a Lufthansa nunca deixou de voar entre Guarulhos e Frankfurt, uma das únicas cinco rotas intercontinentais que a Lufhtansa ofereceu sem interrupção, enfatizando a importância do mercado brasileiro para nós. Garantimos assim uma ponte aérea entre Brasil e Europa naquele momento”, revelou o diretor. Annette Taeuber, diretora de Vendas Brasil do Grupo Lufthansa, por sua vez, afirmou que a pandemia pegou a Lufthansa de surpresa, num momento em que contava com 26 voos semanais para o Brasil. “As vendas chegaram a cair 90%. Agora, nesta retomada, o mundo caminha para protocolos internacionais padronizados. Junto com a Iata, estamos trabalhando para termos voos Covid Free. Em novembro, mesmo durante a crise, continuamos buscando oferecer soluções para nossos clientes, como converter assentos Economy em cama na classe econômica em voos para o Brasil. E ainda ampliamos oferta: ao invés de cinco, passamos a ter voos diários para Frankfurt, além de termos registrado crescimento na taxa de ocupação. Eu acredito que o pior já passou”, revelou. “Em dezembro e janeiro teremos quase 50% da oferta que oferecíamos no mesmo período de 2019. São Paulo-Frankfurt é uma das rotas mais importantes. Este crescimento de oferta (para voos diários) aconteceu em poucas rotas da Lufthansa.          



Publicidade