Fechar

Industria



Compartilhar:

RSS

Transporte de vacinas do COVID-19 vai demandar oito mil aeronaves Boeing 747F

Transporte de vacinas do COVID-19 vai demandar oito mil aeronaves Boeing 747F

A Associação Internacional de Transporte Aéreo calcula que, assim que as vacinas forem aprovadas pelas principais organizações de saúde, levar uma dose única a cerca de 7,8 bilhões de pessoas ocuparia por completo oito mil aeronaves Boeing 747 configuradas para cargas. A IATA pede para que os governos comecem um planejamento cuidadoso com as partes interessadas da indústria para garantir a preparação total quando as vacinas para o COVID-19 forem aprovadas e estiverem disponíveis para distribuição. A associação também alertou sobre restrições de capacidade potencialmente graves no transporte de vacinas por via aérea. Segundo a IATA, o tamanho potencial da entrega é enorme. O transporte terrestre ajudará, especialmente em economias desenvolvidas com capacidade de manufatura local. Mas as vacinas não podem ser entregues globalmente sem o uso significativo da carga aérea. O segmento desempenha um papel fundamental na distribuição em tempos normais, por meio de sistemas globais bem estabelecidos, sensíveis ao tempo e à temperatura. Essa capacidade será crucial para o transporte e distribuição rápidos e eficientes das vacinas e não acontecerá sem um planejamento cuidadoso, liderado pelos governos e apoiado pelas partes interessadas da indústria. As vacinas devem ser manuseadas e transportadas de acordo com os requisitos regulamentares internacionais, em temperaturas controladas e sem demora para garantir a qualidade do produto. Trabalhar com as autoridades sanitárias e aduaneiras também será essencial para garantir aprovações regulamentares oportunas, medidas de segurança adequadas, manuseio e liberação alfandegária apropriados. Isso pode ser um desafio particular, visto que, como parte das medidas de prevenção da COVID-19, muitos governos implementaram medidas que aumentam o tempo de processamento. Mais informações no portal www.passageirodeprimeira.com .




Publicidade