Fechar

Industria



Compartilhar:

RSS

Embraer discute PDV para colaboradores em licença remunerada

Embraer discute PDV para colaboradores em licença remunerada

Por conta da crise gerada pelo COVID-19 em todo o mundo e em particular, na indústria aeronáutica, a fabricante brasileira Embraer vem tomando uma série de medidas para proteger a saúde das pessoas e manter a continuidade dos negócios. Para preservar os empregos já foram estabelecidas desde o mês de março, medidas como implantação do trabalho remoto integral, concessão de férias coletivas, suspensão temporária dos contratos de trabalho e redução da jornada de trabalho. Neste momento, a empresa discute com alguns sindicatos a abertura de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) para um grupo de colaboradores que está atualmente em férias coletivas e irá iniciar período de licença remunerada. A proposta de pacote de incentivo para quem aderir ao PDV inclui extensão do plano de saúde para o colaborador e dependentes por seis meses, auxílio-alimentação de R$ 450 mensais pelo mesmo período, apoio para recolocação no mercado, indenização do restante da estabilidade do acordo coletivo que se encerra em agosto, verbas rescisórias comuns a desligamentos sem justa causa e mais uma indenização de 10% do salário-base nominal por ano de empresa para quem recebe até R$ 9 mil, garantia de no mínimo um salário nominal de indenização e para quem recebe acima desse valor, garantia de no mínimo R$ 9 mil de indenização. Para quem optar pelo plano voluntário, a data de desligamento está prevista para 20 de julho. Recentemente, foi iniciado o processo de reintegração da unidade de aviação comercial com uma reestruturação para reduzir duplicidades de funções e recuperar sinergias. A companhia vem ainda buscando parcerias para desenvolvimento de novos produtos e negociação de empréstimos para atender as necessidades de financiamento de exportações e de capital de giro. Ainda não é possível prever como a crise irá evoluir, mas a Embraer vai continuar realizando todos os esforços necessários para minimizar o impacto do vírus para as pessoas e garantir a adequação necessária da empresa diante da nova realidade do mercado de transporte aéreo global. 




Publicidade