Fechar

Aviação Militar/Geral



Compartilhar:

RSS

Aeronave T-27 Tucano é tema de documentário nos seus 35 anos

Aeronave T-27 Tucano é tema de documentário nos seus 35 anos

A aeronave T-27 Tucano da Força Aérea Brasileira está completando no próximo dia 29 de setembro 35 anos de serviço, com o lançamento de um documentário realizado na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga/SP. O filme tem 1h45 e conta a história da aeronave por meio de imagens do avião, contextualização do período histórico em que foi criado e depoimentos de pessoas que têm relação com ele, como o criador e primeiro presidente da Embraer Ozires Silva; o engenheiro-chefe dos projetistas, Ary Leber; ex-pilotos da esquadrilha da fumaça, até cadetes que voam atualmente a aeronave durante as instruções na AFA. O Tucano surgiu da necessidade da FAB de substituir a antiga aeronave de treinamento T-37, que seria descontinuada pela fabricante Cessna. Nascia assim uma máquina com desempenho notório, reconhecido internacionalmente. As características do T-27 fizeram com que o avião fosse exportado para países como Argentina, Colômbia, Venezuela, Peru, Paraguai, Honduras e Irã. No Reino Unido, foi escolhida para se tornar aeronave de treinamento básico, licenciada e produzida localmente. Desenvolvida por meio da parceria entre a FAB e a Embraer, até hoje, os T-27 são empregados pela FAB para instrução em voo aos novos pilotos. As aeronaves também foram utilizadas para demonstrações da Esquadrilha da Fumaça. O protótipo do treinador voou pela primeira vez em 19 de agosto de 1980, com um desenho avançado para a época. Suas características acabaram tornando-se padrão para outras aeronaves de treinamento, com trens de pouso retráteis, assentos em tandem (um à frente do outro, sendo o de trás mais alto), pontos para utilização de armamento e, inclusive, sendo a primeira aeronave do gênero com assentos ejetáveis. Possui grande autonomia de voo (quatro horas e meia somente com o tanque interno), robustez, comandos precisos, boa margem de manobra mesmo à baixa altitude, confiabilidade, visibilidade e capacidade de voo em diferentes condições climáticas. Mais informações no portal www.fab.mil.br. Foto: CECOMSAER/Sgto. Johnson




Publicidade