Fechar

Aviação Executiva



Compartilhar:

RSS

Bombardier vai parar de fabricar o Learjet

Bombardier vai parar de fabricar o Learjet

O Learjet 75 Liberty entrou no mercado no final do ano passado, mas a produção da linha completa Learjet está chegando ao fim no final de 2021 como parte de uma série de medidas de redução de custos. Mas a Bombardier prometeu suporte contínuo.

O aumento nas entregas globais de 7500 levou a um crescimento de 3 por cento ano a ano nas receitas de aeronaves executivas da Bombardier para US$ 5,6 bilhões, mas a empresa está encerrando a produção de Learjet até o final do ano, demitindo 1.600 trabalhadores.

No final do ano passado, a Bombardier disse que planejava anunciar medidas agressivas para resolver sua dívida assim que se tornasse uma empresa de aviação executiva pura, após a venda de seu negócio ferroviário - sua última unidade de aviação não executiva - para a Alstom.

Ao divulgar os resultados de 2020 ontem (11/02), o presidente e CEO da Bombardier, Éric Martel, disse que a decisão de encerrar a produção após uma história de quase 60 anos não foi fácil de ser tomada. Observando que mais de 3.000 Learjet foram entregues desde que a marca entrou no mercado em 1963, ele disse: “O icônico Learjet teve um impacto notável e duradouro na aviação executiva”. No entanto, ele acrescentou: “Dado o número de novos participantes no segmento de jatos leves e a dinâmica desafiadora do mercado, precisamos concentrar nossos esforços futuros em nossas famílias de aeronaves Global e Challenger mais lucrativas”.

“A redução da força de trabalho é sempre muito difícil e lamentamos ver funcionários talentosos e dedicados deixarem a empresa por qualquer motivo”, disse Martel. “Mas essas reduções são absolutamente necessárias para reconstruirmos nossa empresa enquanto continuamos a navegar pela pandemia.”

Foto: Divulgação

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

12/02/2021


Southwest voando com Airbus?   Embora a companhia aérea tenha sido cliente da Boeing durante toda a sua existência, há muitos motivos pelos quais o A220-300 pode acabar sendo, a curto prazo, a melhor aeronave para substituir seus 737-700 A frota da Southwest de aeronaves 737-700 está pronta para ser substituída. A aérea tem um número épico do tipo, 476 com idade média superior a 16 anos. E alguns têm bem mais de 20 anos. Embora o substituto natural para os -700 da Southwest seja o menor 737 MAX 7, dado que sempre foi uma companhia aérea totalmente Boeing, o A220-300 tem sido uma espécie de virada de jogo para muitas companhias aéreas ao redor do mundo e é apontado como o avião ideal pós-pandemia. Na realidade, a Southwest está planejando a substituição de 300 aeronaves narrowbody, e que a decisão está dividida entre Airbus e Boeing.   Com praticamente a mesma capacidade do 737-700, o A220-300, o avião da Airbus é mais leve e mais econômico que o da Boeing, mesmo com a Southwest retirando dele cinco poltronas e uma comissária.  Foto: Divulgação    


Aviação Civil

12/02/2021


Venezuelana Laser quer voar para os Estados Unidos   A aérea venezuelana Laser Airlines pretende iniciar voos para os Estados Unidos e apresentou seu pedido às autoridades. Ela pretende voar dos aeroportos de Caracas, Valência e Maracaibo para o Miami International. Em outubro de 2011, a Laser Airlines já havia feito o pedido de conexão entre a Venezuela e os Estados Unidos. Na época, pretendia realizar voos regulares de passageiros na rota Caracas - Fort Lauderdale. Além disso, pretendia operar voos charter de Valência e Ilha Margarita para o mesmo aeroporto. Foto: Divulgação  



Publicidade