Fechar

Aviação Executiva



Compartilhar:

RSS

Dassault anuncia unificação da rede de vendas de MRO

Dassault anuncia unificação da rede de vendas de MRO

Essa determinação refere-se às instalações da EMEA (Europa, Oriente Médio e África) e APAC (Ásia-Pacífico), criando um único ponto de contato e oferecendo uma escolha mais ampla de soluções de MRO (Manutenção, Reparo e Revisão), locais e programações para clientes dessas regiões.

A consolidação de vendas de MRO é a mais recente de uma série de movimentos iniciados pela Dassault Aviation para garantir o máximo de escolha e flexibilidade, um padrão uniforme de serviço e uma experiência aprimorada do cliente para operadores Falcon em todo o mundo.

A Dassault Aviation é uma empresa aeroespacial líder de mercado com uma presença em mais de 90 países, em cinco continentes. Fabrica o caça Rafale, bem como a linha completa de jatos executivos Falcon. 

A nova organização de vendas, liderada por Thierry Salaün, reúne as operações de vendas de MRO da afiliada de propriedade exclusiva da Dassault Falcon Service (DFS) com as da TAG Maintenance Services (TMS) e o segmento Falcon da Execujet MRO Services, adquiridas no ano passado. Isso fornece às operadoras melhor acesso a todos os recursos de sua rede de serviços MRO expandida.

 "Estamos aproveitando os pontos fortes combinados de nossos vários negócios de MRO, criando maiores eficiências e sinergias em todo o grupo", disse Jean Kayanakis, Vice-Presidente Sênior de Atendimento ao Cliente Mundial e Rede de Centros de Serviços. "Isso significa que os clientes não ficarão mais limitados a um local de serviço específico, mas podem acessar qualquer centro capaz de acomodar o escopo do trabalho, recursos e requisitos de programação do trabalho em questão."

A nova organização também terá a responsabilidade de coordenar as vendas de MRO de aeronaves não-Falcon em toda a rede TMS. 

Foto: Dassault


 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

19/01/2021


Delta não aceita mais animais de apoio emocional na cabine de passageiros   A política atualizada da companhia segue uma determinação emitida em dezembro de 2020 pelo Departamento de Transportes dos Estados Unidos (DOT, na sigla em inglês), que afirma que as transportadoras não são mais obrigadas a reconhecer pets de apoio emocional como animais de serviço. “Aplaudimos o DOT por fazer essa mudança e reconhecer as preocupações que a Delta e outras partes interessadas levantaram nos últimos anos”, disse a vice-presidente sênior de Serviço de Bordo, Allison Ausband. “A determinação do DOT permite que as companhias aéreas coloquem a segurança de todos os funcionários e clientes em primeiro lugar, à medida em que protege os direitos dos passageiros que precisam viajar com animais de serviço treinados”.  Consideram-se animais de serviço treinados os cães, independentemente da raça, especificamente ensinados para ajudar uma pessoa com deficiência. Os passageiros que viajam com cachorro (s) de serviço treinado (s) devem enviar documentação DOT, por meio do site da empresa, atestando a saúde, o adestramento e o comportamento do cão 48 horas antes da partida. Se o voo for reservado menos de 48 horas antes da viagem, o cliente pode apresentar a documentação em um ponto de venda de bilhetes ou no portão de embarque. A Delta continuará a negar o embarque a qualquer animal de serviço treinado que represente uma ameaça ou demonstre comportamento agressivo ou inadequado em um ambiente público. “A política atualizada da Delta vem na esteira de um aumento de quase 85% nos incidentes com animais desde 2016, incluindo urinar, defecar e morder”, disse o vice-presidente sênior de Segurança e Proteção Corporativa, David Garrison. “Nossa prioridade máxima é a saúde, a segurança e o conforto dos clientes e de nosso pessoal. Acreditamos fortemente que essa mudança irá melhorar a experiência geral de viagem para todos”.  Foto: Divulgação    


Industria

18/01/2021


Virgin Orbit de Richard Branson alcança espaço com sistema de lançamento de foguete não convencional   Uma aventura para lançar pequenos satélites usando um foguete disparado de um jato 747 convertido colocou 10 minúsculos satélites em órbita pela primeira vez ontem (17/01), proporcionando um grande impulso para a startup fundada pelo empresário Richard Branson. O voo de demonstração bem-sucedido da Virgin Orbit, com sede no sul da Califórnia, coloca a empresa no seleto grupo de pequenos fornecedores de lançamento de satélites capazes de oferecer hardware comprovado para voos. Com a proliferação de fabricantes de pequenos satélites nos EUA e em outras regiões, fornecedores especializados de lançamentos estão correndo para atender à demanda de enviar seus produtos ao espaço. Elas incluem a Rocket Lab, uma empresa dos Estados Unidos e da Nova Zelândia que possui um foguete testado para voos; A Firefly Aerospace, com sede no Texas; e Relativity Space, que planeja lançar foguetes fabricados em 3-D. Mas apenas algumas das startups podem reivindicar a distinção de lançar fora da atmosfera, um objetivo que Branson e sua equipe perseguiram por anos, mesmo quando os projetos de foguetes mais convencionais chamaram a maior parte da atenção do público. A nova plataforma aerotransportada da Virgin Orbit, um jato Boeing Co. 747 especialmente equipado chamado “Cosmic Girl”, subiu a uma altitude de cerca de 10.000 m acima do Oceano Pacífico e lançou um foguete de 21,5 m pendurado sob sua asa esquerda (O 747 tem pontos de ancoragem para o transporte de objetos, veja noticia da Qantas). O motor principal de combustível líquido do foguete foi lançado, transportando dez satélites em miniatura, construídos por universidades e patrocinados pela Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço, para a órbita baixa da Terra. O Sr. Branson disse que o foguete LauncherOne da empresa encorajaria "toda uma nova geração de inovadores no caminho para a órbita". O CEO da Virgin Orbit, Dan Hart, disse que a empresa conseguiu demonstrar todos os elementos de seu sistema de lançamento. A próxima missão está programada para iniciar as operações comerciais, com clientes incluindo a Força Aérea do Reino Unido e o provedor de comunicações de baixo custo Swarm Technologies Inc. Foto: Divulgação    



Publicidade