Fechar

Aviação Civil



Compartilhar:

RSS

Aviões menores para a Emirates: os bimotores abrirão novas rotas

Aviões menores para a Emirates: os bimotores abrirão novas rotas

 

A Emirates está se preparando para receber o primeiro de dois novos tipos de aviões. O Boeing 787 e o Airbus A350 começarão a chegar em 2023, mas qual é o plano com essas aeronaves menores? O presidente da Emirates, Sir Tim Clark, explicou que não se trata de substituir os grandes jatos por pequenos, mas sim de abrir novas oportunidades para a aérea.

Em termos de frota de passageiros, a Emirates sempre teve uma estratégia muito clara. Embora no passado tenha operado aeronaves tão diversas como o A300, A340 e até um 737, nos últimos anos, as únicas aeronaves da frota foram as maiores de todas - o 777 e o A380.

No entanto, a frota da Emirates está prestes a sofrer uma reviravolta com a chegada de dois novos tipos. A partir de 2023, a Emirates passará a voar no A350 e no 787, aeronaves de nova tecnologia e novos modelos para a frota.

O pedido de A350 da Emirates veio no final de 2019, no Dubai Air Show daquele ano. Inicialmente colocado em conjunto com um pedido de A330, o número pedido começou com 39 e depois disparou para 50 conforme a companhia aérea firmava seus planos. A Emirates voará com os A350 a partir de 2023.

A companhia aérea mostra interesse no 787 Dreamliner há alguns anos, tendo encomendado 40 787-10s em 2017. Este foi posteriormente reduzido para o popular 787-9, firmando um pedido de 30 do tipo com a Boeing.

“Os bimotores widebody figuram muito em nossos planos, não tanto para substituição - infelizmente, os A380s eventualmente terão que ser substituídos - mas para nossa capacidade de aumentar a frequência de pares de cidades já lucrativos e introduzir novas rotas, que seriam grandes demais para um 777 ou um A380.”

Foto: Airbus

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

07/04/2021


Cayman Airways recebe mais um Boeing 737 MAX   Air Lease Corp (ALC) confirmou a entrega de um terceiro Boeing 737 MAX 8 para a aérea caribenha Cayman Airways. A aeronave com pouco mais de um ano de idade chegou à base da companhia no Aeroporto Internacional Owen Roberts em George Town em Grand Cayman no final do mês passado. O avião, prefixo VP-CIY, fez a viagem do Aeroporto Internacional de King County-Boeing Field em Seattle em 28 de março. Ela ainda não operou seu primeiro voo comercial para a companhia aérea. Seus dois companheiros de frota, VP-CIW e VP-CIX, chegaram em novembro de 2018 e março de 2019, respectivamente. Os MAX da Cayman Airways têm como objetivo substituir os dois jatos 737-300 restantes da companhia aérea. “Temos muita sorte e agradecemos por ter a ALC como nossa locadora de aeronaves enquanto nos aposentamos e substituímos nossas antigas aeronaves B737-300 pelo novo modelo de aeronave B737-8. A ALC foi selecionada pela Cayman Airways em 2016 após um processo de licitação pública e, posteriormente, demonstrou um forte compromisso em trabalhar com a Cayman Airways nos mais difíceis desafios da indústria ”, disse o presidente e CEO da Cayman Airways, Fabian Whorms. Foto: Boeing  


Aviação Civil

07/04/2021


Micro aérea sueca vende seus dois dois Airbus   A micro-companhia aérea sueca Novair foi vendida à operadora dinamarquesa Jet Nordic Group. A aérea voou com uma frota de dois Airbus A321neo em um layout totalmente econômico, usados ​​para fretamentos de lazer pela Apollo e Der Touristik. O par de aeronaves da Novair vai se juntar à frota da Jettime, uma companhia aérea charter dinamarquesa que está planejando um relançamento. Apesar de seu tamanho pequeno, a companhia aérea transportava impressionantes 240.000 passageiros todos os anos a partir de seu hub no Aeroporto Arlanda de Estocolmo e empregava 120 funcionários para suas operações, a maioria dos quais provavelmente manterá suas funções sob a nova administração. O Jet Nordic Group da Dinamarca, opera a Jettime, uma nova operadora que segue após a falência da Jet Time em julho passado. A transportadora também adquiriu os ativos da antiga companhia aérea, incluindo funcionários e a frota de Boeing 737. “Estou comprando uma companhia aérea bem administrada que já voou com clientes da Apollo por 20 anos e, junto com os 500.000 passageiros anuais da Jettime, nossas duas empresas são a base para uma plataforma nórdica forte a partir da qual crescer. É necessário crescermos juntos. no futuro, para que continuemos relevantes e possamos oferecer preços competitivos e manter a forte qualidade nórdica e perfil de serviço que ambas as partes representam hoje.” Foto: Airbus    



Publicidade