Fechar

Aviação Civil



Compartilhar:

RSS

United recebe ação coletiva por falha no motor do 777

United recebe ação coletiva por falha no motor do 777

 

Em uma ação coletiva movida por um tribunal do Colorado há dois dias, um dos passageiros a bordo do voo UA328 da United Airlines afirma ter sofrido problemas emocionais como resultado da falha do motor. O advogado do demandante afirma que o incidente, surpreendentemente semelhante a um de 2018, poderia ter sido evitado se a United tivesse inspecionado as pás do fan do motor adequadamente.

O motor direito Pratt & Whitney PW4077 do 777-200 pegou fogo, fazendo com que os detritos da carenagem se espalhassem pelos subúrbios da cidade, felizmente sem causar ferimentos. A aeronave pousou com segurança, sem causar danos a nenhum de seus 231 passageiros ou dez membros da tripulação.

No entanto, isso não significa que nenhum dano foi feito, diz uma ação coletiva movida por um passageiro a bordo do voo UA328, submetida ao Tribunal Distrital dos Estados Unidos do Colorado em 7 de março. A representação legal do queixoso diz no processo que os passageiros "temeram por suas vidas" por 20 minutos, causando sofrimento emocional severo e previsível.

A ação afirma que o autor e outros a bordo sofreram sintomas físicos incluindo náuseas, sintomas de choque e, após o voo, insônia.

Ninguém deveria ter que passar por isso como resultado da recusa de uma companhia aérea em cuidar adequadamente de seus aviões e clientes, e estou ansioso para forçar a United a fazer isso da melhor maneira possível, disse a ação.

Coincidentemente, essa falha de motor envolveu o mesmo avião, N773UA, que a United usou como aeronave de substituição para o vôo de Denver para Honolulu no mês passado. Este fato não passou despercebido pelo conselho jurídico por trás da ação coletiva agora movida contra a companhia aérea. O processo afirma que,

“A falha da UNITED em garantir que o que aconteceu em 2018 não aconteça novamente em 2021 é uma falha impressionante de práticas de segurança razoáveis ​​por qualquer padrão.”

Embora nenhuma quantia específica tenha sido solicitada, o processo diz que a quantia esperada provavelmente ultrapassará US$ 5 milhões.

Foto: Divulgação

 



SAIBA MAIS

Industria

08/03/2021


GECAS e AerCap podem se fundir     Duas das maiores empresas de leasing de aeronaves do mundo podem anunciar uma fusão ainda hoje (08/03). Tanto a AerCap quanto a GECAS têm alguns dos maiores e mais diversos portfólios de aeronaves do mercado, com algumas das maiores companhias aéreas do mundo como principais clientes. Foi observado que o negócio deve ter um valor de mais de US$ 30 bilhões. As duas empresas combinados teriam uma frota de quase 3.000 aeronaves próprias, administradas ou encomendadas. Apesar do tamanho das duas empresas, ambas foram duramente atingidas pela crise global de saúde. Enquanto muitos clientes estavam presos a contratos de aluguel que optaram por manter, outras companhias aéreas com contratos vencidos optaram por não renovar. Em vez disso, os arrendamentos de aeronaves foram devolvidos. Além disso, os novos contratos de arrendamento secaram em grande parte devido à crise. Com base nos dados de tamanho das frotas, uma fusão das duas empresas tornaria a nova arrendadora de aeronaves a maior do mundo. Com base nos dados de 2019, GECAS e AerCap já dominavam o mercado de arrendamento de aeronaves com a maior e a segunda maior frota, respectivamente. Será interessante ver se algum órgão regulador intervém, pois isso pode prejudicar a concorrência em geral. Foto: Airbus


Aviação Civil

08/03/2021


Novos tempos: Kam Air realiza primeiro voo com uma tripulação totalmente feminina no Afeganistão   Um voo no Afeganistão recentemente fez história, já que Kam Air operou o primeiro serviço com uma tripulação feminina a bordo. Duas pilotos acompanhadas por quatro comissárias voaram no 737-500 de Cabul a Herat O Dia Internacional da Mulher costuma ver uma enxurrada de voos femininos ao redor do mundo, mas para Kam Air, esse voo foi inovador em mais aspectos do que a maioria. Em um país que tem uma história de poucos direitos das mulheres, este voo não foi apenas a primeira vez para Kam Air, mas também para o Afeganistão. Kam Air é uma companhia aérea afegã relativamente jovem, fundada em 2003. Continua a ser a única companhia aérea privada no país. Embora atualmente esteja banida do espaço aéreo da UE, sua recente certificação sob o esquema IOSA da IATA lhe dá esperança de ser removido da lista negra. A companhia aérea disse que deseja começar a voar para Frankfurt em breve. A primeira piloto afegã de Kam Air, Mohadese Mirzaee, de apenas 22 anos assumiu o papel de Primeira Oficial acompanhando a capitã Veronica Borysova, de 32 anos, que foi a segunda piloto mulher a ingressar na companhia aérea. De volta à cabine, quatro comissárias de bordo mantiveram as coisas em ordem para os passageiros a bordo. A aeronave foi o YA-KMN, um Boeing 737-500 de 23 anos. É uma aeronave antiga, mas não a mais velha da frota. O 737 mais antigo de Kam Air tem 25,5 anos e é o 737-300 YA-KMV. Kam Air também aluga um 767-300 da ucraniana Wings, que tem mais de 28 anos. Mas o avião era mais velho do que a primeiro oficial a bordo para esse voo. O 737 decolou do Aeroporto Internacional Hamid Karzai em Cabul às 13h do dia 24 de fevereiro de 2021 para seu voo de 650 km para Herat, no oeste do Afeganistão. Foto: Divulgação    



Publicidade