Fechar

Aviação Civil



Compartilhar:

RSS

Ryanair reduzirá voos em janeiro para lidar com a queda da demanda

Ryanair reduzirá voos em janeiro para lidar com a queda da demanda

 

A companhia aérea irlandesa de baixo custo Ryanair informou que reduzirá sua programação de voos a partir do próximo dia 21 de janeiro, em resposta à queda na demanda causada pelas novas restrições.

As medidas decretadas esta semana no Reino Unido, Irlanda e num "número reduzido" de países europeus vão provocar uma queda acentuada no tráfego de passageiros em janeiro, fevereiro e março, o que obrigará reduzir a programação de voos.

A Ryanair espera transportar menos de 1,25 milhão de usuários em janeiro, enquanto esse número pode cair para 500.000 em fevereiro e março devido ao impacto dos bloqueios destinados a conter a terceira onda de coronavírus.

“Como resultado, a Ryanair irá reduzir significativamente sua programação de voos a partir de quinta-feira, 21 de janeiro, o que significa que menos ou até mesmo nenhum voo será operado de ou para a Irlanda ou Reino Unido.

Foto: Divulgação

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

07/01/2021


American Airlines diminuirá a sua capacidade em até 45%   Embora tenha havido uma recuperação gradual nas viagens aéreas de e para os Estados Unidos, o aumento dos casos do coronavírus e a imposição de mais medidas para prevenir a disseminação do vírus, têm afetado o tráfego aéreo não só da American Airlines, mas a maioria das companhias aéreas naquele país. American Airlines, anunciou que vai cortar mais da metade de seus voos com relação a 2019 durante este mês de fevereiro. A causa é o aumento dos casos de COVID-19 que continuam a reduzir ainda mais a demanda por viagens aéreas. “Prevemos que seja algo que continue em janeiro e fevereiro. Temos esperança de que a vacina seja promissora”, explicou Robert Isom presidente do American Airlines Group. Foto: Divulgação  


Aviação Civil

07/01/2021


IATA comemora assinatura do acordo de "solidariedade e estabilidade"   A International Air Transport Association (IATA) comemorou a assinatura do acordo de "solidariedade e estabilidade" que fará com que a Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito abram suas fronteiras aéreas, terrestres e marítimas com o Catar. O acordo abre caminho para que as companhias aéreas comerciais retomem a conectividade regional - o que reduzirá os tempos de voo e fornecerá conexões aéreas essenciais para famílias e empresas em toda a região. “A reabertura do espaço aéreo com o Catar pela Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito é uma notícia bem-vinda para a região, os passageiros e a indústria da aviação nestes tempos tão difíceis. Ele permitirá a retomada de voos diretos entre esses países e o Catar, eliminando itinerários complexos de trânsito que viram o tempo normal de viagem aumentar de menos de uma hora para mais de cinco horas em alguns casos. O acordo também abre a porta para o estabelecimento de corredores de viagens sem quarentena, que permitirão a famílias e amigos de toda a região se reconectar e as empresas negociarem com mais facilidade. E facilitará o transporte de vacinas COVID-19 globalmente, dada a localização estratégica da região”, disse Muhammad Al Bakri, vice-presidente regional da IATA para a África e Oriente Médio. Foto: Divulgação    



Publicidade