Fechar

Aviação Civil



Compartilhar:

RSS

GOL inaugura novo terminal de Cascavel com primeira operação do Boeing 737-800

GOL inaugura novo terminal de Cascavel com primeira operação do Boeing 737-800

Cascavel recebeu, a partir desta segunda-feira (7/12), pela primeira vez um Boeing 737-800 da GOL Linhas Aéreas, com a mudança da operação para o novo terminal de passageiros do aeroporto municipal. A maior Companhia aérea do Brasil tem, com a inauguração da nova estrutura, mais oportunidades para aumentar sua oferta e melhorar ainda mais seu reconhecido serviço ao Cliente na importante cidade paranaense. 

As aeronaves 737-800 têm capacidade para até 186 Clientes com toda a comodidade e conforto, tendo à disposição o GOL Online, plataforma de entretenimento que em outubro de 2020 completou 4 anos - a Companhia foi a primeira na América do Sul a viabilizar o Wi-Fi a bordo, em 2016. Com internet, TV ao vivo, filmes, séries, podcasts e até cursos e meditação, o portal já foi acessado por mais de 15 milhões de pessoas. Tudo é feito pelo próprio dispositivo móvel do passageiro, o que vem ao encontro desse momento de pandemia, em que é indicado o uso de objetos pessoais. 

O ar dentro da aeronave é de alto grau de pureza com a utilização do sistema de filtro de ar HEPA, que remove 99,97% das partículas nocivas do ambiente, como vírus, bactérias, alérgenos, sujeiras e outros - todas as aeronaves da GOL têm o equipamento. Os voos de Cascavel para São Paulo são diários (menos sábados), com cerca de 1h40 de duração, com destino ao aeroporto internacional de Guarulhos, o que permite conexão ágil com toda a malha de voos da Companhia, sempre com opções mais rápidas e seguras. A lista com todos os destinos e horários está aqui: https://www.voegol.com.br/pt/informacoes/voos-gol 

Foto: Divulgação

 



SAIBA MAIS

Aviação Civil

04/12/2020


Delta lança o primeiro rastreamento de contato do setor para viajantes que retornam aos Estados Unidos Ao compartilhar cinco informações simples, os clientes podem ajudar o governo norte-americano e as autoridades de saúde a reduzir as ocorrências de exposição potencial e fornecer aos viajantes informações importantes sobre saúde pública ·  A Delta lidera os esforços do segmento para monitorar a pandemia global e proteger os clientes; ·  O envio de informações de contato será um elemento obrigatório do programa de testagem para a COVID-19 da Delta, permitindo a entrada sem quarentena na Itália a partir de 19 de dezembro. A Delta está fazendo uma parceria com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) para manter os clientes internacionais informados sobre uma potencial exposição à COVID-19 por meio de rastreamento de contato. Junto com seus nove parceiros aéreos globais, a companhia está trabalhando com agências governamentais e autoridades das áreas de saúde e aviação para oferecer viagens mais seguras em todos os pontos da jornada do viajante.  A partir de 15 de dezembro, a Delta se tornará a primeira companhia aérea norte-americana a pedir aos passageiros que viajam para os Estados Unidos a partir de um destino internacional que forneçam voluntariamente cinco dados para ajudar nos esforços de rastreamento de contato e de acompanhamento por parte dos órgãos de saúde pública, incluindo: ·  Nome completo;  Endereço de e-mail; ·  Endereço nos Estados Unidos; ·  Número de telefone preferencial; ·  Número de telefone opcional.   "Estudos independentes mostraram que os muitos níveis de proteção que a Delta já implementou estão efetivamente minimizando o risco de transmissão de COVID-19. E o rastreamento de contato adiciona mais uma medida importante às nossas iniciativas para garantir proteção durante a viagem”, disse o diretor executivo de Experiência do Cliente da Delta, Bill Lentsch. “Queremos que os clientes se sintam seguros quando voltam a viajar, e esse programa voluntário é mais uma maneira de fornecer garantias adicionais para eles e para nossos funcionários”. Os viajantes e aqueles em seu itinerário podem participar voluntariamente do programa de rastreamento de contato se eles: ·  Estão voando em qualquer rota operada pela Delta; ·  São um estrangeiro residente e/ou portador de passaporte norte-americano tendo os Estados Unidos como seu destino final. Nesse novo processo, a Delta está trabalhando com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças para agilizar o rastreamento de contato, transmitindo a eles, direta e seguramente, por meio da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos, os cinco dados solicitados aos clientes. Isso dará ao CDC acesso às informações em instantes, diminuindo drasticamente o tempo que o órgão leva para notificar os clientes afetados por meio dos departamentos de saúde locais. Ao avisar os passageiros com mais rapidez, bem como providenciar o acompanhamento para as autoridades de saúde, os órgãos competentes podem ajudar a reduzir as ocorrências de exposição potencial e retardar a propagação do vírus. Atualmente, quando há um caso confirmado de COVID-19 em que o viajante estava infectado ao voar, o CDC solicita uma lista de passageiros da Delta para identificar todos os clientes sentados em dois assentos ao redor do caso confirmado. Essa informação é então transmitida aos departamentos de saúde locais apropriados para monitoramento, com cada órgão assumindo a responsabilidade pelos passageiros em sua própria jurisdição. Os dados são fundamentais para a visão da Delta sobre o futuro das viagens e a empresa aérea entende que ela é tão importante quanto a confiança que os clientes depositam na companhia para proteger sua identidade e é repassado ao CDC por meio de canais estabelecidos entre as companhias aéreas e a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos para o Sistema Avançado de Informação de Passageiros. Esses elementos não serão retidos por não mais tempo do que o necessário para atingir os objetivos de rastreamento ou conforme exigido pela Alfândega e Proteção de Fronteiras.    


Notícias

03/12/2020


Ryanair encomenda mais 75 jatos Boeing 737 MAX A Boeing e a Ryanair anunciaram hoje que a maior companhia aérea da Europa está fazendo um pedido firme de mais 75 aviões 737 MAX, aumentando sua carteira de pedidos para 210 jatos. A Ryanair selecionou novamente o 737 8-200, uma versão de maior capacidade do 737-8, destacando os assentos adicionais do avião e a melhoria da eficiência de combustível e desempenho ambiental. Os líderes de Ryanair juntaram-se à equipe da Boeing para uma cerimônia de assinatura em Washington, DC Ambas as empresas reconheceram os impactos do COVID-19 no tráfego aéreo no curto prazo, mas expressaram confiança na resiliência e na força da demanda de passageiros a longo prazo . A Ryanair é o cliente lançador da variante 737-8 de alta capacidade, tendo feito seu primeiro pedido de 100 aviões e 100 opções no final de 2014, seguido por pedidos firmes de 10 aviões em 2017 e 25 em 2018. O 737 8-200 permitirá que a Ryanair configure sua aeronave com 197 assentos, aumentando o potencial de receita e reduzindo o consumo de combustível em 16 por cento em comparação com os aviões anteriores da companhia aérea.  



Publicidade