Fechar

Aviação Civil



Compartilhar:

RSS

DSV Panalpina faz primeiro embarque aéreo de cargas conjunto após fusão

DSV Panalpina faz primeiro embarque aéreo de cargas conjunto após fusão

Recentemente, a equipe norte-americana da DSV Aeroespacial transportou um motor de avião ou mais precisamente, peças de motor, de Huntsville, nos Estados Unidos, à Luxemburgo, na Europa. A partir dali, as partes foram levadas para a fábrica da Airbus, em Toulouse, na França. Esta foi a primeira vez, após o anúncio da fusão, que a nova empresa, DSV Panalpina, atendeu um cliente por meio de suas respectivas redes de operações combinadas. Na prática, estas peças, chamadas de reversores de impulso produzidos por um fabricante aeroespacial, são acopladas aos motores que por sua vez, são montados em aeronaves Airbus A320neo. A DSV faz negócios com o fabricante dos reversores e com o produtor de motores há mais de vinte anos. Desde 1990, a Panalpina é a única grande companhia de agenciamento de cargas a oferecer uma rede própria de fretamentos aéreos, o Charter Network. Agora, este mesmo serviço pode atuar como uma transportadora interna para toda a rede DSV Panalpina, além de ser um ativo exclusivo que a diferencia de todas as outras grandes empresas deste mercado. O sistema utiliza aeronaves fretadas para garantir maior capacidade e está estruturado para lidar tanto com embarques expressos quanto especiais. Um de seus maiores benefícios é o controle. A empresa não gerencia apenas as aeronaves em rotas específicas, mas também planos de voo continentais e processos em terra, garantindo o melhor controle possível de porta a porta. Somente em 2018, a DSV Aeroespacial movimentou 2.300 peças e motores. A próxima remessa também já está prevista para um motor que foi revisado em Hannover, na Alemanha. O equipamento será transportado por caminhão até Luxemburgo e de lá voará através do Atlântico até o México, com escala em Huntsville, nos Estados Unidos. 




Publicidade