Fechar

Aeroportos



Compartilhar:

RSS

Infraero prestará serviços na pista do Aeroporto de Ponta Grossa

Infraero prestará serviços na pista do Aeroporto de Ponta Grossa

A Infraero firmou contrato com a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PR) para a execução de serviços especializados de medição de atrito e de macrotextura na pista de pousos e decolagens do Aeroporto Comandante Antônio Amilton Beraldo. As atividades serão executadas em até 30 dias e vão ocorrer fora do horário de movimento do aeroporto, para minimizar possíveis impactos.

 

Os serviços de medição de atrito e de macrotextura são necessários para a verificação do nível de aderência dos pneus das aeronaves ao pavimento, conforme determinações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para oferecer segurança às operações no aeroporto.

 

O superintendente de Negócios da Infraero, Francisco Nunes, comemora a parceria entre a Prefeitura e a Infraero. “É gratificante auxiliar a Prefeitura de Ponta Grossa na manutenção do aeroporto. Além disso, essa atividade reforça a nossa atuação como prestadora de serviços aeroportuários, criando ainda mais valor para os clientes e contribuindo com o desenvolvimento da aviação”, ressaltou. Foto: pontagrossa.pr.gov.br



SAIBA MAIS

Aeroportos

16/12/2020


ANAC prorroga a flexibilização das regras para o transporte aéreo de passageiros    A Diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou por unanimidade a prorrogação da flexibilização da aplicação de algumas regras da Resolução nº 400/2016 durante o estado de emergência causado pela pandemia de Covid-19. As alterações buscam resguardar os principais direitos dos passageiros.   As medidas que fazem parte da Resolução nº 556 passam a ser aplicáveis aos voos domésticos e internacionais programados até 30 de outubro de 2021, que coincide com o fim da temporada de planejamento da malha aérea no Brasil. Originalmente, a reesolução abrangia apenas os voos programados até 31 de dezembro de 2020.   A flexibilização temporária contempla as seguintes disposições: §  O transportador deve comunicar o passageiro com antecedência mínima de 24 horas sobre eventual alteração programada do voo. §  A assistência material fica assegurada ao passageiro em território nacional, exceto nos casos de fechamento de fronteiras e de aeroportos por determinação de autoridades. §  As manifestações dos passageiros devem ser respondidas em até 15 dias nos canais eletrônicos de atendimento da empresa aérea e no Consumidor.gov.br. §  Nos casos de alteração programada, atraso, cancelamento ou interrupção do voo, fica assegurada a reacomodação do passageiro em voo de terceiro quando não houver disponibilidade de voo da própria empresa. A decisão pela prorrogação foi resultado de um estudo técnico que buscou identificar potenciais problemas e oportunidades regulatórias, adequando as regras do transporte aéreo aos desafios sem precedentes provocados pela pandemia de Covid- 19, que não seriam observados em uma dinâmica de normalidade do setor. Foto: serpro  


Aviação Civil

16/12/2020


Estimulando o mercado de viagens pós-COVID   A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) pediu aos governos que acrescentem medidas de estímulo ao mercado ao apoio que estão dando para manter a aviação financeiramente viável. Essas medidas encorajariam as viagens, enquanto os protocolos de teste permitem uma reabertura segura das fronteiras. Desde o início da pandemia de Covid-19, os governos ajudaram as companhias aéreas a sobreviver à crise com aproximadamente US$ 173 bilhões em várias formas de apoio financeiro. Mas será necessário mais apoio. Muitos dos pacotes financeiros estão se esgotando e as perdas da indústria continuam a aumentar. As companhias aéreas perderão US$ 118 bilhões este ano e quase US$ 39 bilhões em 2021. O setor deve continuar a queimar caixa a uma taxa de quase US$ 7 bilhões por mês no primeiro semestre de 2021. “As companhias aéreas financeiramente viáveis ​​serão necessárias para liderar a recuperação econômica das profundezas da crise Covid-19”, disse Alexandre de Juniac, Diretor Geral e CEO da IATA. “O apoio governamental de US$ 173 bilhões ajudou muitos a sobreviver. Com potencial para reabrir fronteiras com segurança e reviver viagens com testes, os governos precisarão adicionar medidas que estimulem a demanda. Essas iniciativas direcionadas ajudarão a gerar receitas, evitar o endividamento das companhias aéreas e gerar imediatamente atividade econômica em toda a cadeia de valor.” A IATA identificou cinco maneiras comprovadas de com os governos podem ajudar a estimular o mercado de viagens aéreas, evitando adicionar mais dívidas aos já altamente alavancados balanços das companhias aéreas: • Isenções temporárias ou suspensões de encargos governamentais, impostos e taxas reduzirão os custos de voo e de viagem para os passageiros. • Subsídios de rota para voos para destinos locais/regionais para apoiar a conectividade para comunidades rurais e negócios. • Incentivos financeiros na forma de recompensas para voos operacionais ou assentos voados, que podem apoiar as companhias aéreas enquanto as taxas de ocupação ou os rendimentos forem muito baixos. • Compra antecipada de passagens que os governos podem usar para viagens futuras ou distribuir ao público que viaja na forma de vouchers para apoiar viagens e turismo. • Subsídios para viagens de passageiros na forma de vouchers para passageiros ou como uma porcentagem de reembolso sobre os custos gerais de viagem. Em tempos normais, a aviação sustenta mais de 87 milhões de empregos e US$ 3,5 trilhões em contribuição para o PIB em todo o mundo. Mas 46 milhões de empregos e US$ 1,8 trilhão em atividades econômicas apoiadas pela aviação foram colocados em sério risco pela queda dramática na demanda por viagens. O potencial para reiniciar a viagem com testes deve ser um ponto de viragem. E cria a oportunidade para medidas governamentais para estimular a demanda, aproveitando o papel da aviação como um catalisador econômico. “Cada trabalho na aviação suporta outros 29 empregos, demonstrando o amplo impacto que a reconexão do mundo terá. Existem muitas boas ideias por aí. Qualquer governo pode se beneficiar ao incluir medidas de estímulo comprovadas em seus planos de recuperação econômica. Quando as pessoas viajam, as economias prosperam e crescem”, afirma Juniac. Foto: Divulgação



Publicidade